quinta-feira, 13 de dezembro de 2012

A esquizofrenia progressista do Dr. Bagno

Não é novidade alguma que o ideal mesmo de universidade foi incinerado pelo “pensamento” progressista. A universidade, que foi legada ao mundo – e todos deveriam sabê-lo – pela Igreja Católica, era um lugar que visava à formação completa do homem, um recanto em que todos estavam plenamente comprometidos com a busca de algo elevado e excelso: a Verdade. Sim, Verdade com “v” maiúsculo, que só pode ser alcançada quando se está disposto a enxergar a realidade e esforçar-se por compreendê-la de modo honesto, humilde e abnegado. Experimente falar em Verdade dentro de uma universidade brasileira e você logo será achincalhado sem dó nem piedade.

Já escrevemos muito sobre como os universitários de hoje são, com raríssimas exceções, um exemplo emblemático da degenerescência que desvirtuou completamente o sentido da universitas magistrorum. No entanto, os universitários são, bem ou mal, mero produto de um processo que é levado a cabo de maneira obstinada por pessoas profundamente desonestas, que encontram no ensino – a quem confundem puerilmente com educação – um instrumento de manipulação barata e eficaz. Infelizmente, não são poucos os exemplos de pessoas que adotam posturas completamente opostas ao que se esperaria de um docente, tanto dentro quanto fora de sala de aula.

Uma dessas pessoas é o Dr. Marcos Araújo Bagno, professor do Departamento de Línguas Estrangeiras e Tradução da Universidade de Brasília. O Dr. Bagno, fazendo uso de sua grande platéia no Facebook, resolveu pronunciar-se a respeito do ingresso do Papa Bento XVI no universo do Twitter. Eis o que o ilustre professor disse:


Ninguém é obrigado a ser católico. Ninguém é obrigado a concordar com o que o Papa Bento XVI diz sobre a vida, o universo e tudo o mais. O Dr. Bagno tem a liberdade para discordar de quem quiser, sobre qualquer assunto que lhe convier. No entanto, ele tem a responsabilidade de fazê-lo da maneira mais cordata e respeitosa possível – afinal, esse é um dos fundamentos da convivência humana, certo? –, e essa responsabilidade é tanto maior em se tratando de uma, digamos, “figura pública”, alguém que trabalha na formação de futuros profissionais e que, portanto, deveria ser um modelo a ser seguido. Não é isso, no entanto, o que ocorre.

Aliás, o que foi dito acima expõe de modo cru o que se poderia classificar caridosamente de comportamento abjeto. O que o Dr. Bagno fez não foi apenas externar uma opinião pessoal sobre um assunto em questão, mas um ato público de fé na desumanização de um dos maiores teólogos do século XX. E tudo isso com base em quê? Na posição que essa pessoa ocupa: o trono papal. O Dr. Bagno decerto não leu um único livro do Papa Bento XVI, não leu nenhuma de suas entrevistas, não assistiu a nenhum de seus discursos... O que importa para o Dr. Bagno é que o Papa Bento XVI é... Papa! Isso é motivo e razão suficiente para execrá-lo em público, fazer pouco de sua figura e achar maravilhosa a possibilidade de “mandá-lo à merda” publicamente. É esse o comportamento que se espera de um professor de uma das maiores universidades federais do Brasil?

E o mais impressionante é que o Dr. Bagno já trabalhou como tradutor de obras católicas para editoras católicas, como a Edições Loyola. Ver alguém tão profundamente anticatólico fazendo isso é tão absurdo quanto ver Olavo de Carvalho traduzindo obras da Escola de Frankfurt para a Boitempo Editorial!

Curioso que é o Dr. Bagno, que arroga a si mesmo uma superioridade moral mais falsa do que uma nota de três reais, deve ter se esquecido de ler, ainda que rapidamente, o Código de Ética Profissional do Servidor Público Civil do Poder Executivo Federal. Não precisaria nem ler muito, bastaria o primeiro ponto:
A dignidade, o decoro, o zelo, a eficácia e a consciência dos princípios morais são primados maiores que devem nortear o servidor público, seja no exercício do cargo ou função, ou fora dele, já que refletirá o exercício da vocação do próprio poder estatal. Seus atos, comportamentos e atitudes serão direcionados para a preservação da honra e da tradição dos serviços públicos.
A atitude vexatória do Dr. Bagno não se resumiu a isso, como sói acontecer nesses tempos insanos em que vivemos. Ele ainda elegeu uma outra “vítima” – muito menos digna do que o Papa, diga-se de passagem: este blog. Vejam:


O Dr. Bagno nos conhece? Não. Ele já leu alguma coisa que escrevemos? Não. Ele está a par dos autores que nos influenciam, dos textos que traduzimos, do tipo de pensamento que divulgamos a tão duras penas? Não. E isso importa para o Dr. Bagno? Evidente que não! O que importa é o preconceito, a insídia, o ataque raso, rasteiro, reptiliano a algo que possui a mera possibilidade de adotar posturas contrárias ao que ele defende. O que importa é a ofensa gratuita com quê de populismo, coisa bastante promovida nas redes sociais pela massa ignara de amebas humanas ansiosas por bajularem alguém.

O Dr. Bagno pode ofender à vontade – e ignorar solenemente as vozes discordantes, talvez por puro medo do debate honesto. Quanto a nós, certamente preferimos desmascarar suas imposturas – e com classe!

Em tempo: olhem só que coisa mais M-I-M-O-S-A a cartinha que o Marquinhos (!) Bagno escreveu para Papai Noel sobre a Cibele Baginski, que quer ressuscitar no cenário político a Aliança Renovadora Nacional (ARENA):

20 comentários:

  1. genti o marcos banhu aquele profeçor que defendi q todos nóis pode escrever sem a gnt nos preocupar com as regra da gramática intão eu li o q eçe idióta iscreveu e axo q ele eh um idióta msm se depender deçe otarío komunista a comunicasão formau iscrita vai dexá de ezisti çerá q ele naum sabi q é a iscrita q padroniza o idioma? veja só genti como ele é toleranti com os otro q pensa o contrArio delle, axa q pensaar como no cékulo 12 é jurássiko mas e pensar como um komunista kujas teorias já 10moronaram?....

    E querem os ilustres confrades saber? Anseio que este inepto mestre, este apedeuta, vá ao mais fétido excremento!

    Pedro Pelogia

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E o pensamento higienista continua crescendo e infectando o cidadão de "bem"... Eu não sei que juventude é pior: se os universiotários alienados ou esses conservadores... Por que não chamam logo a "Marcha da Família" e põem a milicada filha da puta no poder de novo?

      Excluir
    2. Que pensamento higienista, ô babaca?

      Excluir
    3. Mais higienista que essa esquerdalha gramscita é impossível!

      Excluir
  2. Saudações.

    Em primeiro lugar eu gostaria de dizer que minha postagem tentará - e que pese a título de crítica sobre ela - ser o mais isenta e conceitual possível. Tal se dá porque eu considero - e assumo poder estar errado - ser o tipo mais saudável de discussão. Selecionei alguns pontos do texto que gostaria de comentar.

    [...]
    No entanto, ele tem a responsabilidade de fazê-lo da maneira mais cordata e respeitosa possível – afinal, esse é um dos fundamentos da convivência humana, certo?
    [...]

    Eu discordo. A não ser pela obrigação profissional estabelecida no código de ética do servidor e por estas suavidades distintas que são as boas maneiras, ninguém é obrigado a tratar ninguém com respeito ou candura.

    A grosseria é um direito que ainda nos aufere e que, se usado corretamente, pode inclusive ser instrumental e cômico, como diria La Rochefoucauld (Reflexões, Sentenças e Máximas Morais, 1827 - Aforisma 129).

    Grandes insultos dirigidos a grandes figuras foram em diversos momentos históricos marcas indeléveis de grandes pensadores, ainda que, evidentemente, isto não implique um nexo causal.

    Sobre o insulto,como de costume, não é no meio, mas no excesso que jaz o vício.

    [...]
    O que o Dr. Bagno fez não foi apenas externar uma opinião pessoal sobre um assunto em questão, mas um ato público de fé na desumanização de um dos maiores teólogos do século XX.
    [...]

    O sumo-pontífice de fato merece figurar entre os maiores teólogos do século XX, mas isto lhe concede o que chamamos em administração de "autoridade técnica". Seria difícil manter uma discussão teológica com o líder da Santa Sé, mas ele é questionável em todos os demais aspectos, como os demais seres humanos.

    Dizer que o insulto do Dr. foi raso, desprovido de qualquer critério, tosco, mal executado e direcionado a nada além da dissonância percebida por ele entre a figura do Papa e um conceito implícito vagamente positivo que ele chama de "idéias do século XXI" é uma crítica que considero válida - é minha crítica, na verdade - mas em nada desabona ou questiona a autoridade de Ratzinger como teólogo.


    [...]
    "...fazer pouco de sua figura e achar maravilhosa a possibilidade de “mandá-lo à merda” publicamente".
    [...]

    Eu particularmente acho maravilhosa a possibilidade de mandar quem quer que seja à merda caso sinta vontade. Note que amar a possibilidade não me torna isento da responsabilidade de assumir com as consequências oriundas disso, entretanto acho o direito à expressão - inclusive do tosco, do ominoso e do pútrido - um dos pilares de uma sociedade democrática.

    Postos estes aspectos de crítica, eu concordo com diversos pontos do texto:

    [...]
    Os universitários de hoje são, com raríssimas exceções, um exemplo emblemático da degenerescência que desvirtuou completamente o sentido da universitas magistrorum.
    [...]

    Ponto pacífico. Eu argumentaria que mesmo toda essa lambança que aí está faz parte do direito de fazer lambança que nos é permitido pelo estado, mas o bastante é o bastante e nesse caso em particular este bastante chegou quando o universitário perdeu seu propósito maior e se tornou um aprendiz técnico qualquer. Desprovido do que o torna distinto, ele se orgulhou em ser vulgar - tema recorrente do épico de John Milton e uma lição belíssima plenamente disponível no mundo a pelo menos 300 anos.

    ResponderExcluir
  3. [...]
    Não. E isso importa para o Dr. Bagno? Evidente que não! O que importa é o preconceito, a insídia, o ataque raso, rasteiro, reptiliano a algo que possui a mera possibilidade de adotar posturas contrárias ao que ele defende.
    [...]

    Novo ponto pacífico e que me faz, na verdade, ter alguma repúdia pelo que o homem chama de "idéias do Século XXI". Se elas incluem algum tipo de dogmatismo moral que torna o diálogo incipiente - razão apontada por muitos racionalistas para descreditar a religião num diálogo, ironicamente - eu sinto que talvez não estejamos falando de conceitos tão nobres ou evoluídos assim - o dogmatismo cego e a doutrina prescritiva antecedem o Twitter ao largo de alguns milênios.

    Um último ponto de consonância, na verdade, está no motivo do texto. Eu simpatizo com a necessidade de desenvolver uma crítica estruturada e embasada mesmo quando o objeto a ser refutado é o comportamento pueril e cheio de bravatas e auto-elogios desenvolvido por um... homem, "cheio de voz e fúria".

    A crítica subsequente e seu mérito são perfeitamente compreensíveis, na verdade.

    Segundo meu mui querido La Rochefoucauld (Reflexões, Sentenças e Máximas Morais, 1827 - Aforisma 92): "despertar um homem enganado quanto ao seu próprio mérito é fazer-lhe um mal imenso; tão grande quanto o feito ao louco de Atenas, que era apenas feliz enquanto acreditava serem seus todos os navios que tocavam o porto".

    ResponderExcluir
  4. Car@s,
    Esse professor da UnB não pode ser de esquerda... Ele é capitalista selvagem! Mesmo sendo contratado em regime de Dedicação Exclusiva pela UnB, vive "vendendo" seus serviços pelo Brasil afora... Um dos mais vergonhosos fatos que ele protagonizou, segundo consta na rádio-corredor, foi cobrar de um centro da UnB R$10 mil para dar uma palestra de encerramento de um curso oferecido em parceria com o MEC para professores de ensino básico. O referido curso usou um de seus livros como texto-base de uma das disciplinas e ele havia sido "o mais votado" em uma pesquisa feita junto aos estudantes para proferir a palestra do encerramento. E ELE COBROU R$10 MIL para dar essa palestra no Centro Comunitário da UnB! Pior, deixou bem claro para a organização que só iria dar a palestra, que ele não posaria para fotos com os estudantes ao final o evento, pois este "serviço" não estava previsto na contratação... É muita hipocrisia! Eu posso afirmar que tenho vergonha de trabalhar na mesma universidade onde brota este tipo de MERCENÁRIO do ensino!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Perfeitamente, meu caro... Há alguns anos atrás, o coordenador do curso de Letras onde trabalhei (ex-aluno do Bagno), procurou o referido professor para que ele ministrasse uma palestra para os alunos daquela instituição (de baixa renda, em sua maioria). Lembro que fiquei boquiaberto quando o professos socialista disse o preço da palestra, algo em torno dessa cifra que vc falou, na ocasião era um pouco menos pois já faz alguns anos!

      Excluir
    2. É a pessoa que escreve para o povo, com justificativas do povo, mas que só é acessível a "burguesalhada nojenta"!! Que hipócrita!! Me recuso a assistir aula com alguém de tamanha incoerência!! Vejam só, esse cara fala em xingar o Papa em latim, mas ele não é o mesmo que ficou famoso por não saber o dativo?? kkkkkkk... Pura piada... Espero que depois disso ele estude um pouco mais antes de sair por aí vomitando no ventilador..

      Excluir
    3. O curioso é que xingar o papa pode. Não é intolerância religiosa.

      Excluir
  5. Bastante típico. Alguém precisa avisar ao "progressista" Bagno que acusar os conservadores de semear "todo tipo de ódio e preconceito" é, isto sim, um discurso "jurássico". A história do século XX está cheia desses truques baratos.

    ResponderExcluir
  6. Bravo, Felipe! É necessário denunciar essa classe corrupta que domina a universidade brasileira. Este senhor é apenas um de muitos com pensamento totalitário e contribuição profissional medíocre. A universidade brasileira há muito foi morta por esse tipo de sujeito.

    ResponderExcluir
  7. Eu é que queria ser aluno dele. Ele iria ser desmoralizado publicamente toda aula.

    ResponderExcluir
  8. Sujeitinho ridículo !!!!!

    ResponderExcluir
  9. "Eu particularmente acho maravilhosa a possibilidade de mandar quem quer que seja à merda caso sinta vontade." é verdade Daniel, então VÁ À MERDA!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Daniel, concordo com o Francisco. Então, vai à merda!!!

      Excluir
  10. Se um órgão público não pode expor um símbolo religioso qualquer por ser o estado laico, um agente desse mesmo estado, por outro lado, não pode expor opinião sobre símbolos religiosos.

    ResponderExcluir
  11. Gostaria de visitar Brasília só para poder ter o imenso e incomensurável prazer de chutar a bunda desse elemento imundo.

    ResponderExcluir
  12. Marcos "preconceito linguístico" Bagno é um "intelectual orgânico"! E orgânico, com a devida vênia, lembra-me m...

    ResponderExcluir
  13. Gostaria de dar uma saraivada de porradas nesse indivíduo, mas não vou, posso ser preso pela lei Maria da Penha....florzinha comuna!!!!

    ResponderExcluir

Antes de comentar, leia a política de comentários do blog. E lembre-se: o anonimato é, muitas vezes, o refúgio dos canalhas.