segunda-feira, 11 de junho de 2012

A Marcha do Vadio, ou: Soneto do novo Calígula

Olavo de Carvalho
Mídia Sem Máscara


Pelado e altivo, sairei pelas praças
Com meu peru à mostra, ereto e duro,
E mandarei marcar com ferro em brasa
Quem nele veja algo de feio e impuro.

Do alto dos templos tocarei punheta
E por força de lei será proibido
Conjeturar que há nisso troça ou treta
Ou coisa de maluco pervertido.

Mostrar o pau em público é um direito,
O cume da moral e da beleza,
Ao qual ninguém pode negar respeito.

Sou o novo paradigma, pois tarado
É quem sente conforme a natureza
Em vez de ceder tudo à moda e ao Estado.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Antes de comentar, leia a política de comentários do blog. E lembre-se: o anonimato é, muitas vezes, o refúgio dos canalhas.