quarta-feira, 11 de abril de 2012

A Bienal Socialista de Brasília

Entre os dias 14 e 23 de abril, ocorrerá em Brasília a 1ª Bienal Brasil do Livro e da Leitura. A organização é do governo do Distrito Federal, através da Secretaria de Cultura e da Secretaria de Educação. De acordo com o site do evento, a bienal
oferecerá intensa programação cultural desenvolvida para despertar o gosto pela leitura nos 500 mil visitantes, entre crianças, jovens e adultos. Serão 200 livros lançados, 20 filmes exibidos, 10 seminários, 3 exposições de artes visuais, 20 mil cartões para professores, 2 homenagens a escritores, 17 show musicais, 20 apresentações teatrais, 20 contações de histórias, além de recitais e palestras.

Tudo em um espaço de 14.000 m² de área coberta que abrigará ainda 200 estandes. O evento se configura, portanto, como o maior acontecimento cultural de Brasília para 2012.


Ontem, recebi um jornalzinho sobre o evento e, por curiosidade, decidi entrar no site da 1ª BBLL para ver do que se tratava. De fato, será um evento de grande porte, com uma tremenda estrutura e diversas atrações. À primeira vista, é de se admirar que Brasília terá, finalmente, um evento literário de grande porte. No entanto, essa admiração inicial logo se dissipou. Por quê? Reproduzirei alguns trechos de mensagens do site oficial do evento para ilustrar melhor (os grifos em vermelho são por minha conta).
FUNDAMENTALISMO E CONFLITOS POLÍTICOS
O Seminário Krisis, que acontece de 18 a 21 de abril, no Auditório Nelson Rodrigues do Pavilhão da Bienal, trará a Brasília nomes de ponta para o debate de temas como Ideologia, Religião, Meio Ambiente e Economia. O seminário começa com “Fé, fanatismo e conflitos políticos no mundo atual”, tendo como convidados o brasileiro Leonardo Boff e o paquistanês Tariq Ali, com mediação do secretário de Cultura do DF, Hamilton Pereira. Ficará a cargo do teólogo e professor Leonardo Boff uma abordagem mais espiritualizada do tema, enquanto Tariq Ali deverá lançar seu olhar crítico à realidade política internacional.

[...]

Seminário Krisis traz autores importantes para discutir temas como fé, ideologias, meio ambiente e literatura brasileira

Autores de vários continentes estarão reunidos em Brasília, durante a 1ª BIENAL BRASIL DO LIVRO E DA LEITURA, para o Seminário Krisis. Durante quatro dias, eles irão discutir literatura e contemporaneidade, no Auditório Nelson Rodrigues, no pavilhão da Bienal. O seminário reunirá autores, ativistas, filósofos, políticos, para debater sobre temas que vão de fanatismo ao fim das utopias. Em cada mesa, nomes que estão entre os mais destacados de suas áreas no mundo. O Seminário Krisis acontece sempre de 20h às 22h, nos dias 18, 19, 20 e 23 de abril. A entrada é franca.

O programa começa com o debate Religião – Fé, fanatismo e conflitos políticos no mundo atual, contando com a presença do escritor paquistanês Tariq Ali, um ativista ferrenho contra a guerra, crítico da economia de mercado, com mediação do Secretário de Cultura do DF, o escritor Hamilton Pereira. No dia seguinte, 19 de abril, o tema será Meio Ambiente – A idade dos limites: o mundo em busca de uma nova relação com a natureza. Na mesa, grandes nomes como a indiana Vandana Shiva, física e ativista ambiental, o inglês John Gray, um dos pensadores mais originais da atualidade, e o brasileiro Cid Tomanik Pompeu, um especialista no campo das águas.

A noite de sexta-feira terá o debate sobre Ideologias – O fim das utopias e a ditadura do mercado, contando com a participação de John Gray, do filósofo brasileiro Vladimir Safatle, do ex-ministro José Dirceu e mediação do jornalista Paulo Henrique Amorim. No sábado, dia 21, a discussão será sobre Economia: A terra treme: grandes mudanças e perspectivas na economia mundial, com a participação de Luiz Gonzaga Belluzzo e Luís Nassif e mediação do professor David Fleischer, da Universidade de Brasília. E o último encontro, na segunda-feira, dia 23, o debate sobre Literatura Brasileira – A era de ouro e a produção atual vai reunir os autores Silviano Santiago, Mário Prata e Alcione Araújo, com mediação do jornalista e escritor Luiz Fernando Emediato, coordenador literário da I BIENAL BRASIL DO LIVRO E DA LEITURA.

PROGRAMAÇÃO

Quarta, dia 18 – Aud. Nelson Rodrigues
20h – SEMINÁRIO KRISIS – Fé, fanatismo e conflitos políticos no mundo atual – com Tariq Ali (Paquistão). Mediação de Hamilton Pereira

Quinta, dia 19 - Aud. Nelson Rodrigues
20h – SEMINÁRIO KRISIS – Meio Ambiente – A idade dos limites: o mundo em busca de uma nova relação com a natureza – com Vandana Shiva (Índia), John Gray (Inglaterra), Cid Tomanik Pompeu (Brasil)

Sexta, dia 20 - Aud. Nelson Rodrigues
20h – SEMINÁRIO KRISIS – Ideologias – O fim das utopias e a ditadura do mercado – com John Gray, Vladimir Safatle (Brasil). Mediação de Paulo Henrique Amorim

Sábado, dia 21 – na Biblioteca Nacional
20h – SEMINÁRIO KRISIS – Econômica – A terra treme: grandes mudanças e perspectivas na economia mundial. Com Luiz Gonzaga Belluzzo e Luis Nassif

Segunda, dia 23 - Aud. Nelson Rodrigues
20h – SEMINÁRIO KRISIS – Literatura Brasileira – A era de ouro e a produção atual – com os brasileiros Silviano Santiago, Deonísio da Silva, Mário Prata e Alcione Araújo. Mediação de Hamilton Pereira.
Conseguem ver porque eu fiquei decepcionado? Explico: todo o evento tem como objetivo ser um mega encontro de personalidades da esquerda, e não um evento literário sério. Todos, absolutamente todos os convidados são marxistas e possuem algum vínculo com o Partido dos Trabalhadores, que está tanto à frente do governo federal quanto do GDF. Para aqueles que não conhecem alguns desses convidados, farei um breve resumo abaixo.


Tariq Ali é um escritor paquistanês radicado em Londres. Foi o primeiro paquistanês a presidir o diretório dos estudantes da Universidade de Oxford. Era amigo pessoal de Malcolm X, o líder negro islâmico que serviu de inspiração para o grupo terrorista Panteras Negras.


Leonardo Boff era membro da Ordem dos Franciscanos e é o papa brasileiro da Teologia da Libertação -- uma concepção marxista do cristianismo. Considera-se católico, apesar de ser a abortista e entusiasta da narcoguerrilha FARC, e é um dos defensores do ecossocialismo (!).


Luís Nassif é um daqueles clássicos jornalistas chapa-branca que simplesmente não conseguiria sobreviver sem financiamento governamental. Petista desde criancinha, apresenta um programa na emissora estatal TV Brasil e tem um blog. Vive denunciando o PIG (Partido da Imprensa Golpista) mas não fala nada dos JEGs (Jornalistas Empregados do Governo).


Paulo Henrique Amorim, amigão do Nassif, é atualmente jornalista da Rede Record (do Edir Macedo, da Igreja Universal do Reino de Deus) e possui um blog que, como no caso do Nassif, também não conseguiria sobreviver sem um bocadinho de verba pública. Além disso, envolveu-se recentemente em uma polêmica racista com o jornalista Heraldo Pereira.


Vladimir Safatle (mais conhecido como Vladimir Lenin dos trópicos) é um clássico intelectual uspiano, cria da "filósofa" Marilena Chauí. É admirador da Escola de Frankfurt, Lacan, Foucault e outros pensadores pós-modernos (sic).


Vananda Shiva é uma importante ativista ecofeminista (seja lá o que isso for) indiana. Coordenava um grupo de ativismo ambiental feminista na Índia em que as integrantes amarravam-se a árvores para que não fossem derrubadas.


José Dirceu, como todos já conhecem, é aquele famoso "chefe de quadrilha" (nas palavras da Procuradoria Geral da República) do esquema conhecido como mensalão. Curiosamente, esse fato não é citado no site oficial da 1ª BBLL, que informa apenas que "foi deputado estadual constituinte por São Paulo, deputado federal e licenciou-se para assumir o cargo de Ministro-Chefe da Casa Civil da Presidência da República, onde permaneceu até junho de 2005, quando deixou o Governo Federal."

Um dos coordenadores do evento é o jornalista Luiz Fernando Emediato. Emediato é amigo de Amaury Ribeiro Jr., que, segundo noticiado pela imprensa, armou um esquema de arapongagem para espionar lideranças do PSDB. Amaury Ribeiro Jr. lançou recentemente o livro "A Privataria Tucana", que foi lançado pela Geração Editorial, cujo dono é Luiz Fernando Emediato. Emediato também é amigo pessoal de Delúbio Soares, que, de acordo com a PGR, era um dos operadores do esquema do mensalão.


Uma das coisas mais asquerosa nisso tudo é que o evento será realizado com dinheiro público. O GDF e o governo federal estão investindo suas verbas -- ou seja, nosso dinheiro que nos foi tirado através de um sem-número de impostos de toda sorte -- para realizar um grande evento para a "cumpanherada". Somos nós que estamos financiando um evento de grande porte cujo objetivo será propalar o fim do capitalismo, a necessidade da revolução, o combate à burguesia, ao patriarcado, ao agronegócio e que tais.

E não são apenas os governos distrital e federal que estão diretamente metidos nessa: a Universidade de Brasília é uma das entidades que está co-patrocinando o evento. Não há dinheiro nem mecanismos eficientes para cobrir o rombo de quase R$ 80 milhões que a atual administração da UnB deixará nos cofres da universidade em 2012, muito menos para realizar as obras de estrutura necessárias para que alunos e professores possam estudar e trabalhar sem o risco imediato de morrer, mas há dinheiro suficiente para se patrocinar um evento claramente ideológico com verbas públicas.


Diante de tudo isso, meu caro leitor, eu lhe pergunto: como é que você se sente? Deixe seu desabafo abaixo, e, se possível, divulgue para todos qual está sendo a origem do dinheiro que nós pagamos ao governo todos os dias.

14 comentários:

  1. Ecofeminismo??? Que diabo é isso?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Deve ser a luta pelo direito de as feministas poderem comer alfafa e broto de bambu sem serem discriminadas pelo patriarcado carnívoro.

      Excluir
  2. Uauu, o cerrado irá tremer, as trombetas do capeta irão tocar!!! Que chatice perigosa financiada com o dinheiro público. Mas isso é o que eles sabem fazer de melhor, usar nosso dinheiro para propagar suas ideologias. Debate?? Que debate pode acontecer nesses eventos, se só haverá gente que pensa igual. Será isto sim um festival de unânimidades a engabelar jovens distraídos. Que maldição!! Safatle, o Lenin do trópicos, é aquele que apóia as invasões da reitoria da USP, e dos sem-terra, menos as terras de sua família. É um grande socialista das terras alheias.

    ResponderExcluir
  3. Movimento ecofeminista hindúúu! Não se esqueça. Hauhaua.

    ResponderExcluir
  4. Por que não convidam Olavo de Carvalho, Graça Salgueiro, Nivaldo Cordeiro, Percival Puggina? Lanço aqui um desafio!

    ResponderExcluir
  5. Aff, vale o dito popular: os cães cheiram-se uns aos outros, ou melhor, as libélulas estão a solta pra envenenar os desatentos, muitos desatentos com os livros que nem lêem e se lêem não entende, desinteressados com os rumos do País ou de suas realidades, muito menos com os exemplos que a história recente lá pelas bandas de Berlim ou aqui pertinho na ilha do Cárcere nesta América Latrina estas figuras trazem velhas ideologias que não deu certo em lugar algum do planeta. Certamento ouvi-los, neste mega-evento nem perceberão seus empenhos e a estratégia do Foro de São Paulo para engabelar gente nova pelo discurso e o aparente ambiente de renovação na Capitá, aproveitando pra faturá. A ideologia da esperteza está no ar! Vade Retro tamanho retrocesso ideológico!

    rcm.marta@hotmail.com

    ResponderExcluir
  6. Que cegueira. Sao 130 autores presentes, brasileiros (alguns do PSDB, inclusive), jornalistas como Eliane Cantanhede, Carlos Heitor Cony, Mario Prata, Escritores independentes como Milton Hatoum, Cristovam Tezza, e americanos, africanos, hispano americanos, neozelandeses, ingleses. E essa besta aí aponta meia duzia de supostos esquerdistas, entre eles eu, que fui amigo de Sergio Motta e sou, sim, amigo de Delubio. Tenham dó! Só rindo desse pascácio da "juventude conservadora" da UnB. Conservadora ou burra? LUIZ FERNANDO EMEDIATO..

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Acho que o Sr. Emediato não compreende algumas coisas:

      1) PSDB é social-democracia, uma versão light do PT;

      2) Se puder me apontar no texto em que momento apontei o sr. como esquerdista, agradeceria imensamente;

      3) O sr. não é apenas amigo do mensaleiro Delúbio Soares (que será processado, a pedido da PGR, por corrupção ativa e formação de quadrilha), como escreveu que a culpa que recai sobre ele pelo mensalão não é, de fato, culpa dele, mas culpa do "sistema". Em suas próprias palavras: "Delúbio, na verdade, está sendo acusado por atos que, infelizmente, e isso TODO político sabe, TODO político ou faz ou se omite, para que alguém faça em seu nome." Ou seja, o erro geral desculpa o erro particular.

      4) O sr. não apenas publicou o livro do jornalista-araponga Amaury Ribeiro Jr., que está foi indiciado pela Polícia Federal e cujos processos correm em segredo de justiça, como o nome do próprio sr. aparece em supostas negociatas: http://www.implicante.org/blog/dossie-do-dossie-as-pessoas-por-tras-do-livro-do-amaury/

      5) Em momento algum eu o classifiquei, qualifiquei ou chamei-lhe de coisa alguma -- seja esquerdista, idiota, besta, burro ou que tais. Minha crítica foi ao evento. Caso a carapuça tenha servido ao sr., suas opções são usá-la bem ou deixá-la de lado.

      Em todo caso, agradeço o aparecimento do sr. por essas bandas. Volte sempre.

      Excluir
    2. rcm.martha@hotmail.com

      kkkkkkkkkkkkkkkkk! É absolutamente insuportável à "crasse" intelectóide da era petralha - e já gagá - saberem-se questionados e nada apreciados. Como dói nesta gente, o direito garantido constitucionalmente de todo e qualquer indivíduo e cidadão à expressão, à opinião, à divergir e discernir o que posto. Aliás, como dóí, a liberdade que só nas DEMOCRACIAS é possível.
      Meninos, que lixo a nomenklatura tupinikim achar um luxo ser amigo de MENSALEIRO, CUEQUEIROS, PROPRINEIROS ou mais precisamente, daquele bando que tornou-se equipe de (des) governo popu(lista)lar... aquele que o STF reconheceu agir como os 40 ladrões de Alih Babah! À propósito, com as últimas ligações entre Cachoeira e GDF não é estratégico este "mega" encontro na Capital un moment?
      PAU NELES, garotos!

      Excluir
  7. Nessas horas eu me pergunto onde anda o olhar tão crítico do TCU, MPU e CGU com o gasto do dinheiro público. Onde anda o respeito ao dinheiro público sendo descaradamente utilizado em um evento totalmente parcial!
    Isso é uma vergonha!!!

    ResponderExcluir
  8. AnônimoApr 12, 2012 05:17 PM

    "Por que não convidam Olavo de Carvalho, Graça Salgueiro, Nivaldo Cordeiro, Percival Puggina? Lanço aqui um desafio!"

    *É isso aí, anônimo.. já está passando da hora...

    Temos que parar de financiar essa "gente"!!!

    ResponderExcluir
  9. Caro Felipe Melo

    Em primeiro lugar, quero parabenizar vc e a tua equipe por este blog, bem como a JC da UnB por relatarvários fatos atinentes ao que está realmente acontecendo aqui no Brasil.

    Agora, voltando ao assunto, acredito eu que essa Bienal é mais um tentáculo do FSP (Foro de São Paulo), onde, acredito eu, deverá ser determinada diretrizes cfm o Komintern, bem como fazer doutrinação e subversão. Pelas fichas dos " ilustres palestrantes" (capivara, ficha policial, o q. achar melhor!), podemos verificar que não sairá coisa boa no meio. O grande alvo da subversão (veja vídeo de Yuri Bezmenov - está no site de Anatolli Povist Liest: assista! vale a pena!) sempre são os jovens, pois fica fácil tirar-lhes o senso da realidade. E vcs estão fazendo um EXCELENTE Trabalho alertando os problemas da subversão dentro do Brasil. Que Deus abençoe vcs todos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ratzo, agradeço muito o seu comentário. Fazemos aquilo que nos impele nossa consciência e nosso dever cívico, nada mais, nada menos. E é bom saber que nossos alertas têm chegado a muitas pessoas.

      E o relato de Yuri Bezmenov é realmente incrível (e assustador).

      Excluir
  10. Nunca o dito popular 'Pássaros de mesma pena voam juntos' fez tanto sentido como de 2003 para cá...

    ResponderExcluir

Antes de comentar, leia a política de comentários do blog. E lembre-se: o anonimato é, muitas vezes, o refúgio dos canalhas.