terça-feira, 10 de abril de 2012

As viúvas e seus chiliques





Estão vendo a imagem acima? Pois bem. Olhem-na com atenção. Leiam todo o texto. Essa falsa convocatória foi feita pelas viúvas socialistas da Universidade de Brasília, uma grande e infeliz massa de estudantes profissionais bancados por partidos e adeptos de ideologias pré-Segunda Guerra que, insatisfeitos com a perda de um poder conquistado há décadas, simplesmente não conseguem conviver com a verdadeira democracia.

Ninguém é obrigado a concordar com a atual gestão do Diretório Central dos Estudantes da UnB – que está a cabo da Aliança pela Liberdade e, aliás, tem feito um excelente trabalho –, mas a vida em sociedade é regida por um pequeno conjunto de regrinhas que, normalmente, quem nos ensina é a mamãe e a titia no pré-escolar. Uma dessas regrinhas básicas da convivência em sociedade diz que devemos respeitar o coleguinha. Outra dessas regrinhas diz que não devemos inventar nada contra o coleguinha para falar mal dele. Talvez as mamães dos coleguinhas que fizeram essa falsa convocatória estavam ocupadas demais pensando para que país da Europa viajariam, ou em quantas centenas de reais aumentariam a mesada de seus filhinhos revoltados, ou mesmo qual o modelito de camiseta do Che Guevara que melhor combinaria com o tênis Nike e o iPhone de seus filhinhos, mas isso não vem ao caso.


O que vem ao caso aqui é uma coisinha insignificante, que tem sido bastante e deliberadamente ignorada (como sói acontecer no ambiente pós-moderno de uma universidae pública federal): honra. Discordar de um oponente ideológico com honradez e fazer-lhe uma oposição justa significa debater no mesmo nível, respeitar as regras do jogo democrático – que, só para constar, são definidas coletivamente – e tentar, na medida do possível, não recorrer a expedientes baixos, traiçoeiros e virulentos para fazer política. Adotar essa atitude honrada significa, inclusive, respeitar a decisão coletiva que empossou seu oponente: “ele pode não me representar, mas representa a coletividade que nele votou, e, como acredito na democracia, o peso dessa coletividade é maior do que minhas preferências particulares.”

Já se sabe, evidentemente, quem foi que fez essa peça de mau gosto e, convenhamos, muito, muito mal escrita (“banbuzais”, “MC donalds”, etc.). Isso não mostra apenas o respeito que eles têm pela tão aclamada democracia estudantil, mas também o próprio nível intelectual. É o que dá dedicar-se à política rasteira no ambiente universitário ao invés de fazer jus ao dinheiro de toda a sociedade estudando de verdade.

Aliás, isso daria um excelente trabalho sociológico e pedagógico. Alguém se habilita?

3 comentários:

  1. Vão chupar uns "banbuzais" de rola!

    ResponderExcluir
  2. Acontece que os comunistas não suportam a Democracia - eles apenas se passam, neste momento da história, por democratas (auto intitulados de progressistas) e a usam para solapar aqui, destruir ali... e assim vão levando suas "pautas sociais"...

    ResponderExcluir

Antes de comentar, leia a política de comentários do blog. E lembre-se: o anonimato é, muitas vezes, o refúgio dos canalhas.