sexta-feira, 16 de março de 2012

Cuba se Fidel!

Caros leitores,


Quebrando a tradição de rabugice do blog, esse post é apenas para descontrair. Aproveitem! ; )
___________________________


Fidel está fazendo um dos seus famosos discursos na Praça da Revolução:
- E a partir de agora temos de fazer mais sacrifícios!
Ouve-se uma voz na multidão:
- Trabalharemos o dobro!
O Comandante continua:
- E temos de entender que haverá menos alimentos!
A mesma voz:
- Trabalharemos o triplo!
Fidel prossegue:
- E as dificuldades vão aumentar!
- Trabalharemos o quádruplo!
Fidel vira-se para o chefe da segurança e pergunta:
- Quem é esse idiota que vai trabalhar tanto?
- O coveiro, meu comandante.
___________________________________
Fidel vai a um centro espírita e, na sessão, consegue conversar com a mãe e morta. Fidel pergunta-lhe:
- Mãe, no próximo ano eu ainda vou estar no poder?
- Sim, filho - responde a mãe.
E Fidel continua a perguntar:
- E o povo vai estar comigo?
- Não, querido filho. Vai estar comigo...
___________________________________
Encontram-se um espanhol e um cubano. O cubano pergunta:
- Você é católico?
- Eu acredito, mas não pratico. E você, é comunista?
- Eu pratico, mas não acredito.
___________________________________
Uma professora mostra aos alunos um retrato do presidente Reagan e pergunta à turma:
- De quem é este retrato?
Silêncio absoluto.
- Eu vou ajudar um pouco - diz a professora. – É por culpa desse senhor que nós estamos passando fome.
Pepito diz, ao fundo da sala:
- Ah, professora! É que sem o uniforme e sem a barba não dava para reconhecer.
___________________________________
Três tubarões encontram-se no meio do oceano e decidem tomar rumos diferentes para testar a sorte. Combinam depois encontrar-se novamente para saber o que aconteceu a cada um. Um dirige-se para a Espanha, outro para Miami e o terceiro vai para Cuba. Um mês depois, os tubarões voltam a reunir-se.
O que foi para Miami diz:
- Uau! Foi uma maravilha! Comi dois americanos, um cubano e uma canadense. Estavam deliciosos!
O que foi para a Espanha diz:
- Vocês nem imaginam como estão gordos os espanhóis. Comi pelo menos nove, sem contar as crianças...
Chega então a vez do que foi para Cuba. Ele está todo estropiado, magro, com o corpo cheio de arranhões e de mordidelas.
- Vocês nem queiram saber o que me aconteceu. Quando eu apareci com a minha barbatana numa praia de Havana, estava lá um magricela que começou logo a gritar: Pessoal, chegou o nosso peixe! Num instante, tinha umas 200 pessoas a minha volta. Por pouco não me comeram...!
___________________________________
O povo cubano estava todo reunido para ouvir um discurso do ditador. O seu assessor olhava para Fidel, virava para o povo e dizia:
— Veja, povo de Cuba! Aqui está Fidel! Ele não tem a barba de Cristo?
E o povo:
— Tem, sim!
— Fidel não tem os cabelos de Cristo?
— Tem, sim!
— Fidel não tem os olhos de Cristo?
— Tem, sim!
Um bêbado berra do meio da turba:
— Então, crucifica!
___________________________________
Fidel Castro morre e chega no céu, mas não estava na lista. Assim, São Pedro o manda ao inferno. Quando chega lá, o diabo em pessoa o recebe e diz:
— Olá, Fidel, seja bem-vindo. Eu estava à sua espera. Aqui você vai se sentir em casa.
— Obrigado, Satanás, mas estive primeiro no céu e esqueci minhas malas lá em cima, na portaria.
— Não se preocupe. Vou enviar dois diabinhos para pegar suas coisas.
Os dois diabinhos chegam às portas do céu, mas as encontram fechadas, porque São Pedro tinha saído para almoçar. Um dos diabinhos diz ao outro:
— Olha, é melhor pularmos o muro. Aí pegamos as malas sem perturbar ninguém.
Os dois diabinhos começam a escalar o muro. Dois anjinhos passavam por ali, e ao verem os diabinhos, um comenta com o outro:
— Não faz nem dez minutos que Fidel está no inferno, e já temos refugiados.

2 comentários:

  1. Até mesmo tiranos sanguinários rendem,boas piadas!

    ResponderExcluir
  2. Genial!!! Parabéns ao autor pela criatividade tão arguta!

    ResponderExcluir

Antes de comentar, leia a política de comentários do blog. E lembre-se: o anonimato é, muitas vezes, o refúgio dos canalhas.