terça-feira, 17 de janeiro de 2012

Infantilizando com Gugu Haddad

"É nóis em 2012!", disse o confiante futuro prefeito de São Paulo.

Desde o ano passado, o Presidente Perpétuo da Amada e Idolatrada Salve-Salve Pátria Brasileira, o Grande Molusco, tem feito de tudo um pouco para emplacar o nome de Fernando Haddad como candidato à prefeitura de São Paulo. Nesse esforço, conseguiu até mesmo o impensável: fazer com que Marta Suplício, digo, Suplicy -- aquela do "relaxa e goza", lembra? -- abandonasse as prévias do partido (algo que provavelmente deve tê-la tornado ainda mais intragável do que já é). Isso diz muito não apenas sobre a vontade do Líder PéTreo com relação à cidade de São Paulo, mas também sobre o projeto de poder que o ParTido tem para a cidade. Afinal de contas, Fernando Haddad tem um senhor currículo como ministro da educação:

- Lançamento de uma coletânea de livros intitulada "Coleção Educadores", em que se falam da vida e da obra de grandiosos educadores democráticos e populares como Jean-Jacques Rousseau, Antonio Gramsci, Ivan Illitch, Florestan Fernandes, Friedrich Hegel e Paulo Freire.

- Distribuição do livro "Por Uma Vida Melhor", de Heloísa Ramos, a cerca de 500 mil alunos da rede pública em todo o Brasil. O livro em questão ensina, dentre outras coisinhas, que ser corrigido por falar errado é, na verdade, ser vítima de preconceito linguístico. Vejam só (grifos meus):
“'Os livro ilustrado mais interessante estão emprestado'. Você pode estar se perguntando: ‘Mas eu posso falar ‘os livro?’.’ Claro que pode. Mas fique atento porque, dependendo da situação, você corre o risco de ser vítima de preconceito linguístico. Muita gente diz o que se deve e o que não se deve falar e escrever, tomando as regras estabelecidas para a norma culta como padrão de correção de todas as formas linguísticas. O falante, portanto, tem de ser capaz de usar a variante adequada da língua para cada ocasião.”
- A quase-censura do livro "Caçadas de Pedrinho", de Monteiro Lobato, com base na desculpa justificativa de que o livro foi escrito sobre esterótipos preconceituosos e racistas.

- Investimento de R$ 1,8 milhão na confecção de um kit "anti-homofobia" (o Kit Gay) que, dentre outras coisas, defendia a bissexualidade em virtude de sua vantagem probabilística frente à heterossexualidade. O kit seria distribuído a 6 mil escolas pelo País.

- Sucessivos vazamentos e fraudes nas provas do ENEM dos anos de 2009, 2010 e 2011, com dezenas de milhões de reais desperdiçados e diversas ações na Justiça contra o exame.

Para fechar com chave de ouro essa gestão ministerial que já entrou (e saiu, e entrou, e saiu) nos anais do povo brasileiro, o Governo Federal planeja fazer uma cerimônia pública para comemorar a concessão de 1 milhão de bolsas do ProUni e, por que não?, prestar a devida homenagem a esse grande sujeito, de inumeráveis predicados. Enquanto isso, pavimenta-se um caminho glorioso rumo ao Palácio dos Bandeirantes -- que, pelo seu nome extremamente racista, concerteza* será re-batizado como Palácio dos Quilombolas.

*Cuidado com o preconceito linguístico, hein?

2 comentários:

  1. Há tempos venho acompanhando o seu blog e muitos outros que nos fazem abrir os olhos para a verdade. Só não enxerga quem quer continuar vivendo nessa caverna contemporânea de Platão. Hoje já não é mais mito - é fato amedrontadoramente consumado. Pense em qualquer esfera da vida - trabalho, família, escola, religião, política - e perceberás o estado de putrefação do qual sofrem, causado em grande parte por pessoas imbecís como esse tal do Haddad.

    Parabéns pelo blog!

    ResponderExcluir
  2. nós temos milhões de possíveis militantes políticos (os cristãos), uma nascente, ou renascente inteligentsia conservadora, mas nos falta um terceiro elemento: quadros. Políticos que nos representem e tenham a coragem de defender nossos valores. Acho que o PSDB, por exemplo, ainda tem medo de ser associado com a direita. Pena pra eles, porque ninguém, exceto eles mesmos creem que são um partido de esquerda. Assim eles jogam fora todo o potêncial mobilizador que poderiam ter se apresentassem uma postura clara.

    ResponderExcluir

Antes de comentar, leia a política de comentários do blog. E lembre-se: o anonimato é, muitas vezes, o refúgio dos canalhas.