quarta-feira, 14 de setembro de 2011

Oportunismo fascista na UnB


Arruaça. Baderna. Vandalismo. Violência. Intolerância. Fascismo. Essas são algumas das palavras possíveis que podem surgir na mente de qualquer um que veja com atenção as cenas acima.

Essa cena lamentável aconteceu quando os alunos da UnB do "campus" de Ceilândia encaminhavam-se para um protesto maciço na Reitoria, mais um ato contra o prolongado descaso que essa parcela de nossa comunidade acadêmica tem sofrido há quase três anos. Já falamos aqui no blog sobre essa situação mais de uma vez -- inclusive sobre a empresa contratada para realizar as obras, a UniEngenharia, que é suspeita de uma porção de fraudes e esquemas escusos Brasil afora.

A cena lamentável acima registrada não foi promovida por alunos de Ceilândia. As pessoas que são mostradas arrebentando a divisória da Reitoria aos berros de "ocupa e resiste" são a mais fina-flor da juventude burguesa revolucionária da UnB: filhinhos-de-papai que não precisam trabalhar e que, por isso, encontram tempo de sobra para ler velharias que funcionam muito bem para nutrir e retroalimentar seu inconformismo enlatado e anacrônico. Essa gentalha -- pois não há outra classificação para eles -- formam a tal Oposição CCI, da qual já falamos aqui no blog. Para quem não sabe, a Oposição CCI é um grupelho do que há mais de alienado e ruminante na juventude estudantil do Distrito Federal. É o posto avançado dentro da UnB de um grupo chamado Rede Estudantil Classista e Combativa (RECC), fundado em 2009. Já mostramos aqui antes o tipo de intervenção democrática que eles promoveram mais de uma vez na UnB.

Isso o que vemos gravado é apenas a manifestação natural de desejo de construção de uma universidade mais democrática, justa e igualitária? Longe disso. Não é à toa que o nome do boletim periódico do RECC chama-se "Avante!" -- que é, curiosamente, o mesmo nome do jornal editado por Benito Mussolini, Il Duce, quando era membro do Partido Socialista Italiano. Em que essa demonstração barata e gratuita de selvageria pode ajudar nas demandas dos estudantes de Ceilândia? Em absolutamente nada. Pelo contrário: só tem a atrapalhar. Aliás, esse comportamento destemperado e despropositado mostra claramente que, desde o começo, nenhum desses baderneiros sequer se importava com as reivindicações de seus colegas da FCE. O objetivo sempre foi pegar carona no movimento do pessoal de Ceilândia.

E é por isso que o blog da Juventude Conservadora da UnB tem um apelo sincero a fazer para os estudantes de Ceilândia: PROTEJAM SEU MOVIMENTO! As reivindicações de vocês são mais do que justas! Para que suas demandas recebam apoio não apenas dentro da UnB, mas junto da sociedade no geral -- afinal, todos nós pagamos para sustentar a UnB com nossos impostos --, é importante resguardar-se da presença desses arrivistas de quinta categoria. Saibam separar o joio do trigo, mantenham a coesão e evitem ocorrências como essas. São cenas assim que fazem toda uma pauta justa cair por terra.

6 comentários:

  1. Peço que notem que o pessoal da Unb da ceilândia não usaram bandeiras e estavam de preto com a camiseta do movimento.

    ResponderExcluir
  2. Oi pessoal

    Trecho de nota divulgada ontem pela Adunb:

    ==========================
    Um pouco antes de 12h30, os estudantes e professores chegaram à Reitoria. Subiram a rampa com faixas, cantos de protesto e muito suor e ocuparam o salão de atos. Um pouco depois houve uma confusão inciada pela Corrente Classista Independente (CCI) e o Movimento Estudantil Popular Revolucionário (MEPR), ao tentar invadir a força o gabinete da Reitoria. Na mesma hora, os alunos da FE protestaram contra o ato irresponsável e gritaram "Sem violência!".

    Segundo estudantes presentes durante a confusão, o aluno que quebrou a porta da reitoria não fazia parte do movimento pacífico dos estudantes de Ceilândia.

    ResponderExcluir
  3. Raquel, muito bem lembrado. Os estudantes de Ceilândia estavam todos identificados com as camisetas pretas com as palavras "SEM CAMPUS". Aliás, os estudantes que promoveram a arruaça sequer estudam em Ceilândia -- já confirmamos que são alunos dos cursos de Geografia, Ciências Sociais e Serviço Social.

    Prof. Marcelo, já recebemos confirmação da identidade de três dos fascistas (pois não há outro nome para classificá-los) que promoveram aquela confusão.

    ResponderExcluir
  4. Faço parte da faculdade de Ceilândia e afirmo, nosso movimento é pacífico e o que ocorreu não é característico da FCE, já fizemos vários outras manifestações legítimas que comprovam o que estou dizendo!

    ResponderExcluir
  5. Tudo o que eu identifiquei nessa turma foram as bandeiras vermelhas. Para mim os arruaceiros não passam de um bando de petistas.

    ResponderExcluir
  6. São só uns moleques que estudam no campus do plano, provavelmente moram no plano e não dependem da UnB para nada e acham que são donos dela.

    ResponderExcluir

Antes de comentar, leia a política de comentários do blog. E lembre-se: o anonimato é, muitas vezes, o refúgio dos canalhas.