domingo, 12 de junho de 2011

Se te chamarem de "nazista", comemore

Fonte: Blog Quebrando o Encanto do Neo-Ateísmo

Uma técnica frequente no debate entre conservadores e progressistas é o uso da rotulação de “nazista” ou “fascista” pela parte adversária.

Esse expediente tem sido usado por alguns comentaristas do blog. Mas se antes eu ficava incomodado, hoje eu comemoro.

Motivo?

No momento em que um interlocutor simplesmente me acusa de nazista, ele normalmente NÃO refutou nada do que eu disse. Ele simplesmente larga um xingamento para tentar vencer pela emoção, não pela razão.

Assim, eu fico feliz. Se ele quis me xingar de nazista, significa apenas que ele tem incapacidade mental de responder ao meu argumento. E segue que eu venci o debate.

Outro pode vir com “Ahh, mas conservadores são nazistas sim. Isso você não pode negar”.

Pois eu demonstro que não. A proposta conservadoras se baseia em dois itens básicos:
  • (a) Existe uma ordem moral duradoura que não pode ser violada;
  • (b) O ser humano tende a se corromper por natureza (não por culpa da sociedade) e por isso não se deve confiar nele (e sim na sabedoria da espécie);
É verdade que essa postura tem base religiosa, seja na idéia de um “direito” natural ou no ceticismo quando ao ser humano (basta lembrar de “Maldito é o homem que confia no homem”), embora um secular também possa acreditar em (a) e (b).

Voltando ao fascismo e o nazismo, fica claro depois de uma análise breve que conservadorismo é DIFERENTE dessas doutrinas políticas.

Ambas dependem de um Estado inchado que sempre vai ser um sistema que CONCENTRA poder. A frase “Tudo dentro do Estado, nada contra o Estado e nada fora do Estado” é a marca de Mussolini. Os nacionais socialistas também eram coletivistas, como explica bem o seguinte texto.

E continua: os Estados não só eram gigantescos, como se davam ao direito de DECIDIR quem iria VIVER e morrer, sem falar nas outras liberdades. O Estado era um ser onipotente que tinha o direito de matar e controlar a vida de quem quiser.

Se eu acredito que (a) existe um ordem moral duradora, que INCLUI o direito à vida e o direito as outras liberdades (como de consciência), então eu estou automaticamente contra o Estado nazista e fascista descritos acima.

E se eu (b) não confio no homem, então eu também NÃO confio na concentração de poder. Afinal, poder concentrado é o poder na mão de algumas poucas pessoas. E se eu não confio nessas pessoas, automaticamente eu não delego o poder a elas.

Portanto, a proposta conservadora INVIABILIZA o nazismo e o fascismo. Chorem os esquerdistas o quanto quiserem.

Aliás, quem defende Estado inchado e relativismo moral são os esquerdistas. Se os princípios conservadores fossem adotadas, o fascismo e o nazismo seriam inviabilizados por completo. Já o intervencionismo e o relativismo fazem parte da ESSÊNCIA do fascismo e do nazismo, que estão na turma dos “progressistas” e “revolucionários”.

E se alguém lhe chamar de “nazista” ou “fascista”, pode saber que ele, ao mesmo tempo, não soube ter um argumento convincente e também não sabe nada sobre o assunto.

Normalmente o diálogo vai assim:
  • ESQUERDISTA PROGRESSISTA: Você não aguenta as mudanças sociais. É por isso que você é contra a revolução comunista, onde vamos criar o novo homem e viver em paz para sempre, sem os malditos capitalistas.
  • CONSERVADOR: Não. A natureza humana sofre irremediavelmente de determinadas falhas graves. Em sendo o homem imperfeito, nenhuma ordem social perfeita, como o seu comunismo idealizado, pode ser criada. Por conta de seu desassossego, a humanidade se rebelaria sob qualquer dominação utópica, e iria, mais uma vez, eclodir em violento descontentamento. Eu também não confio em sua hipótese. Em nome da liberdade, os revolucionários franceses e russos aboliram as antigas restrições ao poder; mas o poder não pode ser abolido; encontra sempre seu caminho para as mãos de alguém. Esse poder que os revolucionários tinham pensado ser opressivo nas mãos do antigo regime transformou-se, muitas vezes, tão tirânico quanto o anterior nas mãos dos novos mestres radicais do Estado. No momento em que você der todo o poder para um grupo criar um “utopia” terrena, ele vai se apropriar e usar para seu próprio benefício. Querer “utopias” se resume a uma falta de verificação empírica da realidade. Por isso, sou contra revoluções, principalmente de caráter comunista.
  • ESQUERDISTA PROGRESSISTA: Hã.. hã… Nazista! Seu nazista!
Aí é apontar os erros, demonstrando que o adversário não sabe nada. Se quiser, deixar claro que ele está cometendo uma fraude intelectual e fale isso diretamente.

Depois disso, é só mandar pastar, já que a platéia deverá ter percebido a picaretagem do outro lado.

15 comentários:

  1. E sou progressista, e foda-se o resto12 de junho de 2011 23:00

    Nao li seu texto, mas posso afirmar, Mr. Conservador, vc é fascista sim! E como eu sei disso? Ora, o meu lider-de-luta me disse isso, e ele SEMPRE fala a verdade-acima-de-qualquer-outra-verdade. E porque eu acredito nele? Pq ele é um progressista de esquerda, que pensa no bem comum !!

    ResponderExcluir
  2. blá blá blá
    na hora que a luta de classes aperta, nós sabemos para qual lado os convervadores correm...

    ResponderExcluir
  3. Nada melhor que um exemplar perfeito de esquerdista progressista para provar a tese. Obrigado, Anônimo das 00:06!

    ResponderExcluir
  4. Nossa, é assim mesmo que acontece, parece que estou vendo ao vivo uma cena dessas. Geralmente, os progressistas/esquerdistas, de fato, não debatem, só atacam, e costumam desqualificar o pensamento contrário, não trazem fundamentos com os quais se possa concordar ou discordar. Fica parecendo mesmo que falta-lhes conhecimento da história, dos conceitos,da realidade, e o que é pior, que não querem nem saber disso (porque dá trabalho?), de maneira que pudessem então defender suas idéias com propriedade. O mundo real, o homem real, teima em contradizer as teorias comunistas/socialistas/esquerdistas por um mundo melhor. Porém, em vez de mudarem suas teorias, tentam mudar a realidade, para que ela se sujeite às suas idéias. Já vimos e continuamos a ver ainda no que isso dá. Minha idéia de um mundo melhor com certeza não é a mesma que a deles e não se alcança com suas teorias. Soube que dias atrás teve evento no Museu Nacional de Brasília que, entre os outros assuntos, era para discutir mais ou menos isso: "que tipo de liberdade nós queremos hoje em dia". Pergunto: nós, quem? Será que esse sujeito "nós" quer mais ou menos liberdade? Fiquei curiosa.

    Abraços

    ResponderExcluir
  5. bacana a linha divisória, mas não consigo assimilar uma pessoa que tenha o pensamento unilateral, seja ele esquedista/direitista. Somos influenciados e influenciamos na nossa sociedade. Isto é um fato. Cabe a cada um identificar sua vertente sem desmerecer a outra, sabendo aproveitar do conhecimento.

    quanto a nazi e fasci... deixa pra lá. Em brasília isso virou coisa de adolescente sem formaçao intelectual. tenha mais de trinta ou não.

    =)

    gostei do texto.

    ResponderExcluir
  6. Anômimo das 0:06 e mula das 23:00, quando a corda aperta, o costume é pedir socorro "prus americanu"!

    "-us americanu everiam fazer um prano columbu"
    "-us americanu deveriam nos dar dinheiro, mesmo que sabendo que nós que é expludi tudo lá"
    "-us americanu deveriam mandar seus conterrânios para morte para depor o ditador x"
    "-us americanu deveriam fazer isso e aquilo."

    Trabalhar que é bom comunista vagabundo não quer!

    JC

    ResponderExcluir
  7. "blá blá blá
    na hora que a luta de classes aperta, nós sabemos para qual lado os convervadores correm..."

    Que luta de classes?

    ResponderExcluir
  8. Concordo contigo que chamar um conservador de nazista é o argumento mais medíocre e fraco possível.


    Mas pera aí!!!!O que você descreve é o típico pseudo-socialista panfletário de 5ª categoria!Qualquer socialista legtimo ( leia-se:conhecedor das idéias de Robert Owen,Charles Fourier,Karl Marx ,Bakunin,Gramsci), pra começar, repudia genocidas como Stalin,Mao e outros.

    Quanto a frase de Lenin em seu blog, ela foi colocada completamente fora de contexto,para ele:
    "Os capitalistas chamam 'liberdade' a dos ricos de enriquecer e a dos operários para morrer de fome. Os capitalistas chamam liberdade de imprensa a compra dela pelos ricos, servindo-se da riqueza para fabricar e falsificar a opinião pública."
    Caso o senhor esteja se referindo a outra citação, gostaria que o senhor, por favor, me passasse em qual discurso,livro ou artigo ele disse isso para analisarmos o contexto.Desde já agradeço.

    Quanto a frase de Che,Che Guevara era um soldado e, em uma guerra, manter um inimigo vivo significa gastar mais dos preciosos suprimentos.ético ou não, é o instinto de sobrevivência de um homem em uma selva cercada de tropas inimigas.Tal citação é a citação de um soldado,independente de sua ideologia moral ou religião, não de um socialista.Isso não é socialismo.

    Ainda assim, por mais que possamos tirar coisas boas de inteletuais como Lênin,Bakunin,Karl Marx,
    defender cegamente esses homens é uma negação da razão.Uma pessoa deve ser capaz de absorver idéias, mistura-las remodela-las para contribuir para a consolidação de um socialismo cooperativista humanista e democrático pois o socialismo assim como o capitalismo, está em constante construção.

    Gostaria de debater e conhecer melhor suas idéias pois acredito que seria muito benéfico para nossa formação intelectual e seu blog, ter uma discussão com alguem de esquerda que não seja "esquerdista".
    Tens e-mail?
    Se não quiser usar seu e-mail pessoal, crie 1 em 5 minutinhos e poste aqui no estilo "conservador responde" =D

    ResponderExcluir
  9. interessante o cara ai de cima.. será mesmo que ele sabe de alguma coisa ou so sabe citar nomes p parecer q conhece mesmo.. interessante mesmo.. caso haja algo agendado pode me incluir que eu prazerosamente me colocarei a disposiçao pra falar de Bastiat, Hayek, Russell K. e tudo mais.. vai ser legalll!!!

    ResponderExcluir
  10. É uma falácia essa história que Stalin, Mao, etc. desvirtuaram a ideologia Marxista. Esta história só foi disseminada depois que os crimes desses criminosos foram explicitados; na época do governo stalinista, p.ex., os comunistas de todo o mundo aplaudiam de pé o "sucesso" da implantação da ideologia marxista. Agora, face a revelação de todas as barbáries executadas na formação do "novo homem", os atuais "socialistas" lavam as mãos. Não, não, não! Segurem que o filho - ou melhor, o sangue!- é de vocês!

    A propósito, recomendo o documentário "The Soviet Story" para quem deseja conhecer a relação ÍNTIMA entre o nazismo e o comunismo.

    ResponderExcluir
  11. Se chamarem vc de nazista, vc ganhou o debate:

    http://en.wikipedia.org/wiki/Godwin_Law

    ResponderExcluir
  12. Cara, sinceramente seu texto é tão unidimensional quanto o pensamento dos "esquerdistas progressistas" que dizem que você é facista e nazista.

    O mundo não é dividido entre conservadores e "esquerdistas progressitas". Concordo com o seu posicionamente sobre o reitor Zé Geraldo, que está sendo omisso com uma série de coisas estupidas que estão sendo feitas na UnB.

    Mas é extremamente pobre esse discurso "esquerda x direita" que está impregnado em qualquer discussão polêmica.

    Quem tem um ultrapassado discurso comunista em pleno começo de século XXI é tão ignorante quanto quem abre um blog cujo nome é "UnB Conservadora".

    Você não é nazista, é só um pseudo-intelectualzinho conservador.

    Em outras bocas: você é burro.

    ResponderExcluir
  13. Eu desvincularia o esquerdismo latino-americano do genocídio chino-soviético, mas só quando aparecessem os nomes dos mais de 100 brasileiros que constavam na folha de pagamento da KGB.

    ResponderExcluir
  14. E quanto a moralista? Já fui acusado disso inúmeras vezes, mas não sei se o cunho pejorativo é correto. Acho que ruim seria ser acusado de falso moralista, não?

    Parabéns pelo bom trabalho e não desanimem!
    Abraços conservadores.

    ResponderExcluir

Antes de comentar, leia a política de comentários do blog. E lembre-se: o anonimato é, muitas vezes, o refúgio dos canalhas.