quinta-feira, 7 de abril de 2011

Grandes lições de ética e sensatez

Celso Amorim, ministro das relações exteriores durante o governo Lula (2003 - 2010), foi convidado a ministrar a Aula Magna dos cursos de Ciências Políticas e de Relações Internacionais. A palestra aconteceu na segunda-feira, dia 4 de abril. O nosso estimado e mui querido reitor, o Grande Timoneiro da UnB, classificou a política externa do governo Lula, encabeçada pelo ex-ministro, como "boa e qualificada política de relações internacionais acompanhada de boa interpretação acadêmica do que preside essas relações”.

Como recordar é viver, lembremos de alguns fatos bastante marcantes da política externa brasileira quando Celso Amorim era ministro:

- Em visita oficial do Brasil à Guiné Equatorial, governada pelo ditador Obiang Nguema há 31 anos, o então ministro foi inquirido sobre o aspecto ético de se estreitar relações com um governo acusado de gravíssimas violações dos direitos humanos. Sem pestanejar, o ministro sapecou uma resposta pra lá de humanista e progressista: "Negócios são negócios."

- Quando o ex-presidente Lula comparou os presos políticos cubanos a prisioneiros comuns, gerando uma polêmica de caráter totalmente golpista, o ministro não pensou duas vezes e calou a boca do PIG com sua sabedoria dialética: "Uma coisa é defender os direitos humanos, outra coisa é sair dando apoio a todos os dissidentes."

- Durante o vergonhoso golpe contra o inocente ex-presidente de Honduras, Manuel Zelaya - promovido pela Justiça hondurenha golpista com base em sua Constituição reacionária -, o então ministro defendeu de maneira impávida e corajosa a mudança postura histórica do Brasil - que, antes, não intervinha nos assuntos internos de nenhum país - ao dar abrigo ao governante deposto: "Não sei o que teria acontecido se o Brasil não tivesse aceito (o pedido de abrigo). Ele teria sido preso, ou talvez morto, se resistisse à prisão."

Não imaginamos melhor figura pública para ministrar essa Aula Magna do que o grandiosíssimo Celso Amorim, o maior diplomata brasileiro desde o Barão de Rio Branco. Parabéns a todos os envolvidos pela iniciativa progressista!

Um comentário:

Antes de comentar, leia a política de comentários do blog. E lembre-se: o anonimato é, muitas vezes, o refúgio dos canalhas.