sexta-feira, 25 de março de 2011

Quanto você vale para a UnB?

Antes de responder a pergunta que intitula o texto, vamos falar sobre uma coisa que já ultrapassou o limite da decência e da vergonha: o atraso nas obras dos Campi de Ceilândia e Gama.

Quantas vezes foi adiada a entrega das obras? Inúmeras. Os estudantes que deveriam ter aulas nos campi novos sofrem com a ausência quase total das mínimas condições para se ter aula. Salas com carteiras quebradas, sem iluminação adequada, sem espaço suficiente para acomodar os alunos. Produtos e equipamentos utilizados em laboratório estragam sem nunca terem sido usados. Fora isso, há a falta de segurança, de opções de alimentação e até mesmo de condições básicas de higiene.

Ontem, cerca de 300 estudantes dos campi do Gama e de Ceilândia foram até a Reitoria realizar um protesto pela conclusão das obras. Os prédios já deviam estar prontos há quase um ano. A cada protesto, o rol de desculpas esfarrapadas da Administração da UnB vai diminuindo, deixando a Reitoria cada vez mais exposta. No meio desse imbróglio todo, gostaria de chamar a atenção para dois fatos curiosos:

1 - A notícia da Secom sobre o protesto informa que a mobilização estudantil foi pacífica e bem organizada. O momento de tensão do protesto foi proporcionado por membros do DCE e da "oposição", que discutiram acalouradamente sobre onde realizar uma assembleia com os estudantes.

2 - "Eu defendo a ocupação possível do prédio", disse o decano Pedro Murrieta sobre a construção do campus do Gama, em reunião que anunciou que a UnB iria multar a construtora caso a obra não seja entregue até o dia 21 de abril.

Esses dois fatos servem de indício para responder a pergunta que intitula esse texto. Os estudantes se mobilizaram de maneira organizada e tranquila, com exceção da intervenção tanto do DCE quanto da "oposição". A Administração da UnB defende, através do decano Murrieta, que os prédios sejam ocupados exatamente como estão - e veja que não houve nenhuma palavra quanto à precariedade da infraestrutura das obras. Então, meu caro estudante da UnB, pergunto: quanto você vale para a Reitoria e para o "movimento estudantil"?

A resposta é evidente: NADA. Os alunos do Gama e de Ceilândia, além dos estudantes de Planaltina e do campus Darcy Ribeiro, não passam de massa de manobra na visão da Reitoria e do "movimento estudantil". Vocês, meu caros, são vistos como idiotas úteis, idiotas com os quais essas pessoas querem contar quando necessitam de massa de apoio para viabilizar seus projetos políticos. Quantos desses projetos estão verdadeiramente ligados ao real interesse da Universidade de Brasília? Que medidas concretas, práticas, foram tomadas em defesa dos reais interesses - melhoria da infraestrutura de ensino, atualização dos currículos, até mesmo coisas básicas como suprir os banheiros com papel higiênico - da comunidade acadêmica da UnB por essas pessoas?

Há muita gente que defende a atual Administração, o DCE e até mesmo a delirante "oposição" - que é fã, dentre outras pessoas, de um sujeito que responsabilizou o capitalismo pela destruição da vida em marte. Reflitam: essas pessoas estão realmente cuidando dos interesses de vocês?

3 comentários:

  1. A situação está horrivel nos dois campi. Não tem sala de aula suficiente para todo mundo. Fatores diversos impedem que as obras sejam concluidas, mas fatores diersos não impedem que continue tendo vestibular. - Como foi dito ontem durante o manifesto.

    ResponderExcluir
  2. São três anos improvisando. Nunca me senti UnB.

    ResponderExcluir
  3. Concordo plenamente com o teor da matéria! Nós alunos não valemos NADA para a UnB. Dia após dia o que vemos é um mar de corrupção dentro da reitoria. Nova denúncia na administração do reitor José Geraldo foi encaminhada ao Ministério Público, sobre cobrança de propina para não paralisar o pagamento de serviços. Enquanto isso ficamos sem iluminação, segurança e transporte. Lamentável...

    ResponderExcluir

Antes de comentar, leia a política de comentários do blog. E lembre-se: o anonimato é, muitas vezes, o refúgio dos canalhas.