sexta-feira, 3 de setembro de 2010

O descalabro da segurança na UnB continua

Caros leitores,

Mais uma vez, interromperemos a ordem estabelecida de postagem e pedimos desculpas por isso. É por uma causa justa.

Recentemente, firmou-se convênio entre a Polícia Militar do Distrito Federal e a Universidade de Brasília como uma das medidas para aumento da segurança dentro do campus Darcy Ribeiro. Como já falamos aqui, a presença de policiamento ostensivo é certamente essencial para aumentar a segurança, mas não deve ser a única medida.

Segue abaixo mensagem da direção do Instituto de Psicologia sobre fato ocorrido na quinta-feira. A mensagem foi encaminhada a nós pelo leitor Pedro Melo. Em seguida, comentamos.

À Comunidade do IP,

A Direção do Instituto de Psicologia vem a público lamentar e ser manifestar de forma indignada com a ocorrência da agressão sofrida pela nossa professora do PED, grávida, no estacionamento do ICC Sul, ontem (02/09) ao final do dia, seguida de roubo de seu carro com assalto à mão armada.

Queremos manifestar também nossa imensa preocupação não só com a comunidade geral da UnB, mas, e particularmente, com a comunidade do IP que hoje é composta por mais de 1500 pessoas entre docentes, estudantes de graduação, de pós-graduação e clientes (comunidade externa), de todas as idades (crianças, adolescentes, pacientes e idosos).

Neste sentido, chamamos toda a comunidade a se manifestar, incluindo a notificação formal à nossa Direção de outras ocorrências deste tipo, para que possamos subsidiar ações e exigir das instâncias competentes (Administração Central, Polícias Civil, Militar e Governo do Distrito Federal) a proteção de nossos direitos fundamentais de segurança e proteção à vida.

Informamos finalmente que estaremos nos reunindo ainda hoje com a Decana de Assuntos Comunitários para debater o assunto e encaminharemos oportunamente as providências cabíveis com a devida documentação. Comunicaremos em seguida os resultados de nossa reunião e nossas decisões imediatas sobre o assunto.

Cordiais saudações.


--
Profs. Gardênia Abbad (Diretora) e Ileno Costa (Vice-Diretor)
Instituto de Psicologia
Gestão 2010-2014

O que a Reitoria tem feito pela comunidade acadêmica da UnB? O que está sendo efetivamente feito em prol de todos aqueles que têm suas vidas vinculadas à Universidade de Brasília? Uma palavra responde a isso: NADA!

A direção da Universidade de Brasília, representada na figura do reitor José Geraldo, é mais do que uma administração leniente - que trata com mesuras e palavras melífluas toda uma gama de delinquentes estudantis, dos simples promotores da esbórnia aos militantes "progressistas" que atropelam tudo e todos em nome de sua ideologia - e desatenta. O que temos é, verdadeiramente, uma administração cuja parvoíce beira a conivência obscena com o caos que vêm deteriorando a universidade.

No dia 25 de agosto, teve lugar no Quartel-General do Exército Brasileiro uma das maiores piadas da história da Universidade de Brasília: o reitor José Geraldo foi condecorado com a Medalha do Pacificador. De acordo com informações do Exército Brasileiro, a Medalha do Pacificador é destinada àqueles que tenham "prestado assinalados serviços ao Exército, elevando o prestígio da Instituição ou desenvolvendo as relações de amizade entre o Exército Brasileiro e os de outras nações."

É provável que alguém que tenha prestado serviços de alguma distinção ao Exército a um tal nível que justifique sua condecoração seja uma pessoa que preze pela ordem, pela segurança e pela legitimidade. Essa lógica é tão certa que ninguém precisa possuir uma inteligência notória para compreender. E o que temos visto acontecer na UnB ao longo desses últimos dois anos? Por acaso a universidade se tornou um lugar mais seguro, mais ordeiro? Nada disso! A universidade está em frangalhos, erodindo a cada dia sobre alicerces que, pouco a pouco, apodrecem. O descalabro da segurança na UnB é tão patente que a notícia dessa condecoração chega a ser um insulto a todos aqueles que se dedicam seriamente à instituição e a tudo o que ela deveria representar - ensino, pesquisa, extensão, desenvolvimento, educação, cidadania e liberdade.

Quantas pessoas precisarão ser vítimas de violência dentro da Universidade de Brasília até que atitudes realmente concretas sejam tomadas para que alunos, professores, funcionários e demais membros da comunidade universitária tenham realmente proteção? Será que alguém precisará perder a vida para que a gravidade dessa situação seja encarada de maneira séria e comprometida pela Reitoria?

Essas perguntas só ficarão sem resposta se nós deixarmos com que não sejam respondidas. Aja contra isso! Espalhe a notícia, converse com seus colegas, debata essa questão. A universidade é sua! Proteja-a!

2 comentários:

  1. Bom, por incrível que pareça, eu vou à UnB para estudar (!). Acho muito legal que hajam políciais no lugar aonde eu vou passar um monte horas por dia durante os próximos anos. Não sei porque o povo não quer isso...

    ResponderExcluir
  2. rodolfo,

    pra fumar maconha em paz, ué...

    ResponderExcluir

Antes de comentar, leia a política de comentários do blog. E lembre-se: o anonimato é, muitas vezes, o refúgio dos canalhas.