sábado, 19 de junho de 2010

A "alegria da juventude"

Na quinta-feira, dia 16 de junho, mais duas festas aconteceram no ICC. As duas foram promovidas pelos CAs de Agronomia (CAAGRO) e de Serviço Social (CASESO).

A festa do CAAGRO aconteceu no curral localizado atrás do centro acadêmico. Havia muita movimentação de gente, a música estava bastante alta - música sertaneja e samba, basicamente -, e, como sempre, o álcool estava rolando solto. Apesar da relativa distância física com o prédio do ICC, o som alto estava atrapalhando as aulas nas salas próximas à entrada sul do edifício.

A festa do CASESO aconteceu dentro do espaço físico do centro acadêmico, que foi decorado especialmente para a farra. Faixas coloridas onde se lia, em letras garrafais, XIBOQUINHA GRÁTIS e um pequeno cartaz com o preço da cerveja estavam afixados no corredor, do lado de fora. Além da música alta e do álcool abundante, havia concentração de pessoas no corredor atrapalhando a circulação (fora algumas demonstrações mais entusiasmadas de furor sexual por parte de alguns casais).

O fato de o CAAGRO promover sua festa não é motivo para espanto (ainda não seja menos lamentável), já que, no dia 20 de maio, promoveram o show de uma dupla sertaneja dentro do ICC, atrapalhando aulas e a circulação de estudantes, professores e demais membros da comunidade acadêmica. Entretanto, o que é realmente impressionante é o fato de o CASESO - que é um reduto tradicional de movimentos ditos libertários e de esquerda (vide o coletivo Confessionário, de orientação feminista, e o Movimento Estudantil Popular Revolucionário - MEPR, que representa o que há de pior no engessado e retrógrado status quo ideológico nas IES públicas) - promover uma festa em que se podia escutar, em alto e bom som, músicas do grupo Gaiola das Popozudas e afins. Para um centro acadêmico que serve de incubadora para movimentos que alardeiam a dominação capitalista, a alienação das massas e a vulgarização da mulher, não é de muito bom tom tocar músicas deste tipo:

No local do trepa-trepa eu esculaxo tua mina,
No completo ou no mirante outro no muro da esquina,
Na primeira tu já cansa eu não vou falar de novo
Ai que piroca boa, bota tudo até o ovo
Eu queria andar na linha, tu não me deu valor
Agora eu sento, soco, soco, topo até filme pornô
Gaiola das Popozudas agora vai falar pra tu
Se elas brincam com a xereca eu te do um chá de cu!
Se elas brincam com a xereca eu te do um chá de cu!

Não somos contra festas promovidas pelos CAs. Pelo contrário: as festas são importantes eventos sociais que servem para estreitar os laços entre os estudantes e, com isso, fortalecer o corpo discente do curso. Mas somos contra festas que sejam realizadas em locais e em horários de aula, pois atrapalham as atividades acadêmicas. Há outras formas de confraternização que podem (e devem) ser feitas dentro do campus, formas mais efetivas dentro do escopo universitário e que não atrapalham a vida de ninguém.

P.S.: Ontem de tarde, o DCE realizou reunião com os CAs sobre a questão do espaço físico para os centros acadêmicos. Fato curioso é que o DCE nunca fez qualquer reunião sobre a falta de senso dos CAs em promover essas festas. Esse assunto será tema do nosso próximo texto.

5 comentários:

  1. Gente! Que grupo de Serviço Social boooom esse hein?

    ResponderExcluir
  2. Achei interessantíssimo esse Blog. Realmente, é um caso sério essas transgressões morais e dos bons costumes na UNB. O grupo "Juventude Conservadora" está de parabéns. Importante que atualize o Blog sempre, para mantê-lo vivo.

    Se eles possuem um grupo de debates na internet, porque não poderemos ter o nosso? Poxa, quero agora conhecer pessoalmente o prof. Hermes, pena que seja de Biologia. Precisaria de um desses nas humanas Rsrsrs

    ResponderExcluir
  3. É esse o ponto, Murilo: a democracia, para os recalcitrantes patrulheiros ideológicos e para os farristas de plantão, só serve a serviço deles. Quando surge uma voz que defende posturas que lhes são contrárias, espumam de raiva e tornam-se ansiosos por "vaporizar", orwellianamente falando, seus verdugos.

    Eu tive a satisfação de conhecer o Prof. Marcelo essa semana. Pena que nos falamos pouco. Mas tenha a certeza de que existem pessoas com o mesmo posicionamento que ele nos departamentos de ciências humanas na UnB.

    ResponderExcluir
  4. Ótimo, importante que criemos um vínculo programático para fortalecer o movimento... Continuem firmes!

    ResponderExcluir
  5. Vamos um dia desses marcar um "café conservador", fora da UnB, mas por aqui na Asa Norte. Há muitos problemas na UnB alem das festas barulhentas e bêbados que estao a destruir nossa universidade.

    abraços,
    Marcelo Hermes

    cienciabrasil@gmail.com

    ps: eu desenvolvo tb um trabalho de "humanas" na área de educação. Vejam no link abaixo meu ultimo paper "de humanas":

    http://cienciabrasil.blogspot.com/2010/03/utilidade-das-abobrinhas-da-midia-novo.html

    ResponderExcluir

Antes de comentar, leia a política de comentários do blog. E lembre-se: o anonimato é, muitas vezes, o refúgio dos canalhas.